segunda-feira, 27 de agosto de 2007

"Ninguém, decerto, estava ali, a espiar-me,
Mas um lampião, lembrava ante o meu rosto,
Um sugestionador olho, ali posto
De propósito, para hipnotizar-me!"


A vista da minha janela
É composta de uma igreja, um morro,
um mirante e uma torre.

E um poste,
que já iluminou tudo de roxo.

Nenhum comentário: